BRAZILCONZE BRAZILIAN ONLINE MAGAZINE, CULTURAL MAGAZINE Interview, Intrevista
Radik in L.A. is Zona Oeste in the house!
by Ana Lourdes Alvarenga
Mais um talento brasileiro traçando o caminho da notoriedade em L.A. Radik apesar do nome é um calango carioca, filho de matogrossense. Gipsy desde de tenra idade, o cantor que você escuta agora é ele, navegando pelo mesmo rio cheio de saudades que inspirou Vinícius,Caetano, Oswald e Chico. Radicado há 5 anos na California, ele nos conta um pouco de tudo, nesta que é a primeira de muitas entrevistas que começam a pintar por aí. Radik is a brand new brazilian talent that just started trancing a notorious path in the L.A music scene. Although his name might not sound very brazilian, he is an authentic ''calangocarioca'', so o matogrossenses. Gipsying around since early in age, the song that now you listen to is him singing through the same 'saudade' river that once inspired Caetano, Vinícius, Oswald and Chico. Living in California for the last 5 years now, on this interview he tells and play a bit of everything, like a little musical appetizer preceding the bright and main course to come.

BRCZ: Conta um pouco da tua história. Era uma vez um pequeno Radik...
RADIK: Eu nasci em Brasília, no coração do Brasil mas como minha mãe é carioca e acabamos nos mudamos para o Rio de Janeiro quando eu ainda era criança. O Rio me adotou, me batizou e desde então o Carnaval se tornou a minha religião!
BRCZ: Once upon a time, there was a little Radik...
RADIK: I was born in Brasília, the heart of Brazil, but because my mother is a carioca we end up moving back to Rio de Janeiro when I was still a child. Rio adopted and baptized me, since then Carnaval became my religion!
BRCZ: Para onde no Rio ?
RADIK: Mudamos para Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, onde vivi parte da minha infância e adolescência. E também em Bras de Pina, onde minha mae nasceu. Mas sempre circulei por toda a cidade. Adoro o Centro a Zona Norte e a Zona Sul.
BRCZ: Where in Rio?
RADIK: In Campo Grande, Rio de Janeiros' West Zone, where I lived part of childhood and my teenager years. And also in Bras de Pina, where my mother was born. However, I've been always spreading all over the city. I love downtown, the North Zone and even the South Zone.
BRCZ: Como a música começou fazer parte constante da tua vida?
RADIK: Muita música era ouvida lá em casa: muito Samba, MPB - ou o que quer que isto seja - Funk americano e Jazz. Desde de criancinha que curto chorinhos, principalmente os de Valdir Azevedo; deve ter sido por isso que Quando eu tinha uns seis anos de idade mais ou menos que meu pai me deu um cavaquinho.... O cavaquinho até foi para ao armário, mas meu interesse pela música não!
BRCZ: How did music appear in your life?
RADIK: I grew up listening to lots of music at home: Samba, MPB - or whatever that might be - American funk and Jazz. Since very young I enjoy listening to chorinhos, mainly the Valdir Azevedo ones. I guess that was why My father gave me a cavaquinho when I was 6... the cavaquinho went to take a long nap in the closet, but my interest in music didn't!
BRCZ: E quando começou teu namoro com os instrumentos?
RADIK:Na adolecência. No carnaval. Na rua. Muito por influência do meu pai, matogrossense. Passei a frequentar e tocar instrumentos de percussão em blocos carnavalescos em Brasília e principalmente no Rio de Janeiro, para onde sempre ia pelo menos 2 vezes ao ano naquela epoca.
BRCZ: And when did you start dating instruments?
RADIK: At the Carnaval. On the streets. In my teenager years. Mainly due to my fathers' influence, in fact. I started playing percussion during Carnaval at ''block parties'' sometimes in Brasilia, other times in Rio de Janeiro,where I used to travel to at least twice a year.
BRCZ: Hoje o Rio é muito funk, mas muitos de nós ainda temos bons rock flashback dos tempos do Garage e o Circo Voador. Você faz parte dessa galera ? E o Baile, algum na mente?
RADIK: Eu comecei cantando, fazendo o vocal em bandas cover de Rock nacional e internacionallá pela Zona Oeste durante os tempos de Segundo Grau. Ia aos bailes do Clube Luso Brasileiro e do Clube Campo Grande. Sempre estava na Lapa, no Circo Voador. Fui poucas vezes ao Garage. Tenho vivas memorias deste periodo. Fiz grandes amizades nestes lugares.
BRCZ: Nowadays, Rio sounds more and more like FUNK. meanwhile many of us still have rock flashbacks from Garage and Circo Voador. Did you get to hang out down in these clubs at all? Any ball pops in your mind?
RADIK: I started singing doing vocals for Brazilian and International Rock N' Roll cover bands.During High School times I played throughout the West Zone. I used to go to the bailes at the Luso Brasileiro Club and at the Campo Grande Club. I was alwayst hanging in Lapa, at Circo Voador, but I went a few times to the Garage. I have great memories from this period of time. I surely built great friedships at these places.
BRCZ: Tuas composições tem o deleitoso conteúdo. Como você desenvolve tua temática?
RADIK: Acho que passei a observar a música mais sob o seu ponto de vista cultural, histórico e até político na faculdade - O IFCS - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais UFRJ. Ouvindo walkman no ônibus de volta pra casa... longa jornada. O instituto e a realidade social vista da janela me inspiraram muito, assim como as leituras e discussões na faculdade e no movimento estudantil. Tambem adoro falar de amores, paixões, sentimentos, enfim, quando escrevo as letras das canções, nunca digo a mim mesmo ''hoje eu vou falar disto ou daquilo''; tudo depende muito do momento que inspira, da Imagem Poética como escreveu Bachelard. Depende do que traz a inspiração a tona, como a música e sua letra, quando há uma.
BRCZ: Your compositions are very poetic and full of delightful content. How do you develop your themes?
RADIK: I believe that I started to realize music through its cultural, historical, and political aspects in my College years in IFCS, Phylosophy and Social Sciences Institute of UFRJ. I remember everyday Listening walkman in the bus, in my way back home from school... Such a Long journey. The Institute and the social reality popping out from that bus window inspired me a lot, as well as the readings and the class discussions, also the student movement. But I also enjoy talking about love, passion and feelings. At last, when I write the songs' lyrics, I never say to myself ''today I am going to talk about this or that''; everything lives from inspiration, as Bachelard wrote on the Poetic Image. My compositions will depend on what brings the inspiration to the foregroung, as the music and its lyrics, when there is one.
BRCZ: Imigração inspirira, vide Chico Buarque e suas letras sobre os imigrantes nordestinos em São Paulo. Como teu processo migratório nos EUA molda tuas composições?
RADIK: Tenho 5 anos de América. Depois de um tempo por aqui a saudade sempre acaba pegando. No meu caso essa saudade enorme das 'coisas' do Brasil acabou me 'obrigando' a estudar o violão e música para desafogar as composições que queimavam em meu peito. Quero e tenho que comunicar esse feeling - e aqui tive a certeza que a música é o meio, que se tornou profissão. Mas há 15 anos escrevo poesias e cantei por vários anos em bandas cariocas antes de me mudar para a California.
BRCZ: Migration Inspired artists like Chico Buarque in his songs about northeastern immigrants in São Paulo. How your imigration process helped in the shaping of your music and lirics?
RADIK: I'va been in America for 5 years now. After living here for a while, an enormous longing of the ''things'' from Brazil is inevitable. In my case this harsh longing drove me to seriously study the acoustic guitar and learn how to play the compositions that were drawning my soul. I have to communicate this feeling, and in the US, I came to the realization that the best way to do it is through music, and by becoming a professional musician. But I have been writing poems for 15 years and, as I said, I sang for years in Cariocas rock bands much before I came to California.
BRCZ: Conta o teu segredo para o músico brasileiro recém chegado que queira se projetar no Mercado Californiano ? Você acha que hoje em dia, o fato de você ser Brasileiro te abriu caminhos no mundo da música?
RADIK: No meu caso foi acontecendo logo que comecei a divulgar o trabalho. Pessoas começaram a me contratar para tocar em festas em San Francisco. Então eu conheci o Ney Araujo, que co-produzir nomes como Raul Seixas e Tom Jobim, e ele me ofereceu a possibilidade de gravar uma demo de graça. Gravei e o resultado ficou muito bom. Quando me mudei para L.A. trouxe a demo comigo e isto me abriu outras portas. Aqui as amizades que fiz com vários músicos acabaram me rendendo mais duas demos. Pessoas como o baterista Sandro Feliciano, o baixista Paulo Gustavo, o baixista e arranjador Nando Raio, o guitarrista e mestre em engenharia de som Mauricio Caju, a linda percussionista e cantora Michelle Tomyuk, a muito charmosa atriz e cantora Lauren Carter, e muitos outros. As músicas que vocês curtem agora sairam das demos que eu mencionei acima. Desde então tenho sido contratado para tocar em festas particulares em L.A, e quando o tempo dá até em ''cool'' restaurantes e cafés cujas audiências são bem legais também. Ser brasileiro é maravilhoso! Mas não é precondição para coisa alguma. Não há segredo: trabalho duro e dedicação a música são as expressões chave!
BRCZ: Tell the secret to the just arrived musician that wants to achieve visibility in the Californian Market? Do you think that nowadays the fact of being Brazilian open doors in the music field??
RADIK: I don't know, in my case, it happened since I started to market my work. People first started hiring me to play in parties in San Fran. Than I met Ney Araujo, who co-produced names such as Raul Seixas and Tom Jobim, and he offered me the possibility to record a demo for free. I recorded it and the result was very good. When I moved to L.A. I brought my lucky demo with me and it keep opening the doors. The friendships that I stablished with several musicians ended up giving me two other demos. People like the drummer Sandro Feliciano, the bassist Paulo Gustavo, the arranger and bassist Nando Raio, the guitarrist and soung engineering master Mauricio Caju, the gourgeous percussionist and singer Michelle Tomyuk, and the very charming actress and singer Lauren Carter, and many others. The songs you listen to now are from these cool demos I mentioned. Since than, I have been hired to to play at private parties in L.A. And when I have time, I play at cool restaurants and cafes, in which the audience is very cool as well. Being Brazilian is wonderful. But it is not a plus to anything. There is no secret: hard work and dedication to music are the only keys to the doors!
BRCZ: Como você descreveria tua música?
RADIK: Minhas músicas são brasileiras de alma. As composições não se prendem a nenhum estilo específico, e isto é a concepção do meu trabalho! Elas engendram a gama de experiênciasmusicais, pessoais e coletivas que ocorreram e ainda acontecem na minhavida. Caminho belo e arredio....inquietações de um ser humando a viver neste novo milênio cheio de medos e esperanças. Eu foco nas esperanças. Já os rítmos, tento criá-los complexos, e procuro quase sempre trabalhar com os ritmos brasileiros. Meu intuito é sofisticar as harmonias e criar melodias que transcendam a minha percepção musical da vida. As pessoas que ouvem gostam, o que é muito bom. Quando a musica é feita com paixão, sinceridade e honestidade, inevitavelmente as pessoas que ouvem acabam sentindo algo de bom. Quero que a minha música sempre seja algo de bom para mim e para o público.
BRCZ: How would you describe your music?
RADIK: My songs are Brazilian in their soul. The compositions are not tied to any specific style, and this is my works' conception! They gather a range of musical, personal, and collective experiences that happened and are still happening in my life. Beautiful and wild course... Inquietudes from a human being living in the new millenium, full of fears and hopes. I try focusing on hope. regarding the rythms, I try to create them as complex as I can, but I often work with Brazilian rythms. My objective is to sophisticate the harmonies and create melodies that can overpass my musical perception of life. People who hear my music like it, and this makes me feel very good. When music is made with love and honesty, people who listen to it can immediately feel something good about it. I always wish my music to can do good to me and the people who listen to it.
BRCZ: Quando sai o albúm? Já tem alguma gravadora na porta?
RADIK: Soon. O mais legal é que dessa vez estou contando com a colaboração de diversos músicos e artistas de outras partes do mundo. Estou no inicio do processo de gravação e está sendo uma grande experiência.
BRCZ: When is the album coming out? Is there any lable at the door?
RADIK: Soon. The cool thing is that at this time I will have the colaboration of various musicians and artists from different parts of the world. I just begin recording and so far it's been a great experience.
BRCZ: O que você acha do impacto da mídia independente e a internet, na música? Você watch MTV ? Atualmente, qual é tua fonte musical?
RADIK: Acho maravilhoso. Finalmente, os artistas independentes estão tendo a real possibilidade de apresentar os seus trabalhos diretamente para o publico, sem a intermediação das grandes gravadoras. Não, eu não assisto MTV! É uma bosta! Na verdade eu quase não assisto TV. Talvez por isto eh que eu esteja tão bem informado (risos). Escuto muitos CDs, radios no dial e na Internet. Mas prefiro ir assistir shows ao vivo. O último que abalou as estruturas foi o da Luciana Souza com o Romero Lubambo aqui no Jazz Bakery em Los Angeles: Um duo apaixonante!
BRCZ: What do you think about the independent media and the web impact in the music world? Do you watch MTV? Nowadays, what is your main musical source?
RADIK: I think it is wonderful. Finaly, independent artists are really able to present their work directly to the public, without the big labels' bosses mediation. No, I don't watch MTV! And think It is a piece of shit, Actualy.I also almost don't watch TV. Maybe this is why I am a such well informed dude(laughs). I listen to CDs, dial up and web radios a lot. But what I am really crazy about are the live shows. The last one that shocked the structures was the Luciana Souzas' and Romero Lubambos' here at the Jazz Bakery in Los Angeles. A duo to fall in love with!
BRCZ: Se voce fosse sugerir a discografia basica brasileira que albums estariam incluidos nela?
RADIK: Todos do Tom Jobim, Todos do Guinga, o Dwitzia do Ed Motta, o Gerais e o Miltom do Miltom Nascimento, o Canto do Rio do Jovino Santos Neto, existem muitos, mas estes são os primeiros que vem a mente agora.
BRCZ: If you could suggest a basic brazilian discography, which albuns would be included on it?
RADIK: All from Tom Jobim, all from Guinga, Dwitzia dfrom Ed Motta, The Gerais and the Miltom from Miltom Nascimento, the Canto do Rio from Jovino Santos Neto, there are several, but these are the first ones that I can think of now.
BRCZ: O que você mais aprendeu imigrando?
RADIK: Aprendi a respeitar as diferenças culturais, admirá-las e ser um aprendiz delas. Em suma, aprendi a me tornar um cidadão do mundo!
BRCZ: What did you learn the most from migrating?
RADIK: I learned to respect cultural diferences, to admire them and to be their apprentice. In short, I learned to truly become a world citizen!
BRCZ:Como vc sentiu voltando ao Brasil depois de alguns anos de abstinência? Algumas impressoes e poesias.
RADIK: A primeira vez que voltei adorei! Fiquei apenas duas semanas e voltei para a Cali sentindo na boca um gostinho de quero mais. Apesar de me considerar um cidadão do mundo, não tem como apagar as minhas raizes brasileiras. Foi ótimo rever a familia e os amigos. Não há lugar mais belo neste mundo do que o Brazil, acredito. A última vez que eu fui ao Brasil foi em 2002 e só devo voltar o ano que vem.
BRCZ: How did you feel going back to Brazil after couple years of abstinece? Give us some impressions and poems.
RADIK: The first time that I went back I loved it! I stayed there only for two weeks and I came back wanting more. I really consider myself a world citizen, but I can never deny my Brazilian roots. It was great two see my parents and my friends again. There is not a place in the world that is more beautiful than Brazil, I believe. 2002 was the last time I was there, I'll be going back next year.
BRCZ: hoje qual e o artista que mais te inspira - algum no Brasil?
RADIK: Todos os que mencionei acima (Tom, Guinga, Ed Motta, Jovino Santos Neto, Miltom) mais o Lenine, que eh fenomenal! Ultimamente, tenho ouvido muito o Romero Lubambo. Ele tem a melhor levada do violao brasileiro no momento. O cara é genial!
BRCZ: Today, which artist inspires you the most - any in Brazil?
RADIK: All those that I have mentioned above (Tom, Guinga, Ed Motta, Jovino Santos Neto, Miltom) plus Lenine, who is phenomenal! Lately, I have been listening Romero Lubambo a lot. At the moment, I think He is the best on playing the Brazilian guitar. This dude is a genious!
BRCZ: Qual é teu time?
RADIK: Posso responder todos? (risos). Mas sou mesmo Vasco da Gama e Seleção Brasileira! Mas se o 15 de Jau estiver jogando contra o Friburguense, eu estarei assistindo (risos). Adoro futebol, Voleibol, caminhadas e esportes do prazer (risos).
BRCZ: What is your team?
RADIK: Can I say all of em'? (laughs). But I really am Vasco da Gama and the Brazilian Soccer team! However, if the 15 de Jau is playing against the Friburguense, I will be watching (laughs) for sure. I love soccer, volleyball, hiking and pleasure sports (laughs).

Copyright © BRazilConZe.com, if you'd like to republish this interview, please contact us.

Copyright ©2006 Migrating Media & Productions LLC | Links | Privacy | Terms of Use | Concept | Who We Are | Contact

ART GALLERY INTERVIEW LA NYC KINGSTON SAO PAULO RIO LONDON PARIS BARCELONA BERLIN